Vereadores da oposição impedem reajuste salarial dos professores de Santa Quitéria

Vereadores da oposição impedem reajuste salarial dos professores de Santa Quitéria

Isto é incrível. A Câmara Municipal de Santa Quitéria rejeitou o reajuste salarial dos professores da cidade proposto pelo prefeito Tomás Figueiredo. Para o reajuste ser aprovado, a matéria precisaria da aprovação de 2/3 dos 13 vereadores. Cinco vereadores votaram contra.

Os vereadores da oposição Lino Paiva, Joel Madeira Barroso, Erandir Paiva (Manjado), Cesário Junior e Augaci Potásio comemoraram a votação como se a medida fosse prejudicial ao prefeito, quando apenas atrasaram a vida dos professores municipais e retiraram dinheiro de circulação do comércio da cidade.

Politicagem — A reação dos professores foi imediata. O prefeito Tomás Figueiredo encaminhou o reajuste para a Câmara Municipal dentro da política de valorização continuada do magistério, corrigindo os valores segundo o Piso Nacional do Magistério.

O reajuste 2019 era reivindicação da categoria. A mensagem com a atualização elevaria o piso do professor com 40h (classe 1) de R$ 2.298,80 para R$ 2.557,87 —valor que ultrapassa os 4,17% fixado pela portaria do MEC, equiparando o salário ao reajuste de 2018, que foi de 11,27%.

Seria uma conquista para classe de professores da rede municipal, infelizmente derrotado pelos vereadores da oposição ao prefeito que partiram para a política do quanto pior, melhor.

O reajuste foi calculado pelo setor contábil e financeiro da prefeitura, não geraria impacto negativo nas finanças municipais, e geraria impacto positivo no comércio da cidade.