Quixadá: Médico é demitido do hospital Eudásio Barroso e acusa prefeitura de perseguição política

Quixadá: Médico é demitido do hospital Eudásio Barroso e acusa prefeitura de perseguição política

Desde janeiro de 2017, a atual gestão municipal tem adotado um postura ditatorial. Ela vem perseguindo os trabalhadores das mais diversas áreas. Primeiro foram os taxistas, que até fecharam uma rua em forma de protesto; depois verdureiros, vendedores de frutas, cadeiras, redes e borracheiros. Agora, veladamente, chegou a vez dos médicos.

O clínico Pontes Netto usou suas redes sociais, na noite dessa quinta-feira (29), para informar que a perseguição adotada pela gestão municipal não poupará ninguém: Ele foi “demitido” do cargo de plantonista da clínica médica no hospital do município. “Boa noite. Hoje estou encerrando minhas atividades como Médico Plantonista da Clínica Médica no Hospital Municipal Dr Eudásio Barroso, Instituição em que trabalho desde dezembro de 2008. Fui demitido, sem justa causa, sem ao menos nenhum comunicado formal. Quero enfatizar que, além de ser Médico Concursado do Município de Quixadá, fui Diretor Clínico desta Instituição em 2 ocasiões, obtendo uma atuação satisfatória em termos de assistência médica. O motivo da demissão é de natureza política e, portanto, imutável e injustificável. A gestão municipal, de maneira ignóbil e persecutória, determinou essa situação arbitrária e de forma ditatorial. A Vida é cíclica e tudo nela também é. Tudo é Ação e Reação, Causa e Efeito. O Amanhã a Deus pertence!”, postou Pontes Netto.

quixada

Muitos dos amigos e pacientes do médico foram, assim como ele, pegos de surpresas e lamentaram o fato. Talvez, parte deles não saibam que a desvalorização da classe médica só não era silenciosa porque a imprensa tem divulgado que a Prefeitura de Quixadá está entre as que devem os profissionais desde que o prefeito Ilário Marques (PT) assumiu a chefia do Executivo, informação confirmada pelo Sindicato dos Médicos que, em seu site, divulga as gestões municipais devedoras, ou seja, que não pagam em dias.

A postura da administração petista com os trabalhadores tem deixado os quixadaenses decepcionados e com medo, pois temem sofrerem, também, perseguições por parte da atual gestão, que na manhã desta sexta-feira (30) enviou pelo menos oito agentes de fiscalização para as ruas do Centro da cidade.

Fonte: Monolitos

Image