Davi Alcolumbre paga R$ 1milhão a hotel de diária de R$ 140

Davi Alcolumbre paga R$ 1milhão a hotel de diária de R$ 140

Segundo revista, o Telmário Mota repassou R$ 24 mil a um prestador de serviços que afirma nunca ter emitido qualquer nota.

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), gastou quase R$ 1 milhão em um hotel em Macapá, no Amapá, o equivalente a mais de 7 mil diárias. A informação é da revista Época, em reportagem divulgada nesta quinta-feira, 6.

O alto valor – no mínimo, suspeito – nem sequer precisa ser explicado, muito menos é de fácil acesso à população. Isso porque o novo presidente do Senado tornou norma da Casa um parecer da Advocacia-Geral do Senado, de 2016, quando Renan Calheiros era presidente, que delegou aos senadores a decisão de dar publicidade ou não a suas notas depois de um pedido feito via Lei de Acesso à Informação (LAI), que requeria os recibos de um parlamentar.

Alcolumbre não é o único a gastar enormes quantias de dinheiro público. A Época fez um levantamento dos 15 senadores que mais gastaram nesta legislatura. Somados, os gastos chegam a R$ 2,31 milhões.

O senador Telmário Mota (PROS-RR) repassou R$ 24 mil a um prestador de serviços que afirma nunca ter emitido qualquer nota para justificar o gasto. A reportagem também menciona a senadora Maria do Carmo (DEM-SE), que gastou quase R$ 700 mil em pagamentos a pessoas físicas, cuja prestação de contas é menos transparente. Nenhum deles precisa explicar esses gastos.

As notas fiscais que justificam os gastos dos senadores são apresentadas periodicamente à Secretaria de Finanças do Senado, mas não são abertas ao público.

Aluguéis de carros, diárias em hotéis, abastecimento em postos de combustíveis e impressão em gráficas são serviços triviais que integram a rotina de um parlamentar — e que são custeados com dinheiro público.

Na lista dos 15 senadores estão Eduardo Braga (MDB-AM), Humberto Costa (PT-PE), Romário (Podemos-RJ), Mailza Gomes (PP-AC), Telmário Mota (PROS-RR), Mecias de Jesus (PRB-RR), Jarbas Vasconcelos (MDB-PE), Marcelo Castro (MDB-PI), Zequinha Marinho (PSC-PA), Paulo Rocha (PT-PA), Elmano Férrer (Podemos-PI), Eliziane Gama (Cidadania-MA) e Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) – ordenados de acordo com quem mais gastou até quem menos gastou. Eles não disponibilizaram suas notas.

Só dois senadores, Paulo Paim (PT-RS) e Omar Aziz (PSD-AM), mostraram as despesas à reportagem da revista Época.

No total, R$ 100 milhões dos cofres da União foram usados para bancar os gastos de todos os senadores nos últimos quatro anos.