Prima da primeira-dama recebeu 850 mil no propinoduto do transporte escolar no Piauí — ex-secretário de Educação deve ser preso

Prima da primeira-dama recebeu 850 mil no propinoduto do transporte escolar no Piauí — ex-secretário de Educação deve ser preso

Já está no TRF1 o pedido de prisão de Pauliana Ribeiro Amorim, prima da deputada federal e primeira-dama do estado do Piauí Rejane Dias. Ela ocupou o cargo de superintendente de Gestão da Secretaria de Educação em 2015, mas continuou comissionada na SEDUC piauiense.

Segundo o pedido de prisão do Ministério Público Federal, Pauliana Ribeiro Amorim recebeu R$ 850 mil em propina para fraudar licitações no transporte escolar. O pagamento foi efetuado pelo empresário Luiz Carlos Magno Silva — o chefe da organização criminosa na esfera privada. Luiz Carlos transferiu para Pauliana a escritura de propriedade de imóvel.

O Ministério Público Federal justifica o pedido de prisão alegando que os atos de fraude, superfaturamento, lavagem de dinheiro e ocultação de bens continuam a acontecer, mesmo depois da deflagraram da Operação Topique em 2018.

Ainda alegam que o pedido de prisão deve ser deferido em razão da patente constatação de persistência dos crimes apurados, bem como dos demais delitos decorrentes das fraudes licitatórias (lavagem ou ocultação de bens, direitos e valores), que causaram e causam prejuízo milionário e de difícil reparação para o erário piauiense e, consequentemente, para sociedade do Piauí.

A prisão destes investigados já havia sido solicitada pela Polícia Federal durante a 2ª fase da Operação Topique, denominada Satélites, mas a 3ª Vara Federal da Seção Judiciária do Estado do Piauí — nos autos nº 25124-81.2019.4.01.4000/PI — indeferiu os pedidos de prisão preventiva dos investigados.

O novo pedido do MPF é assinado pela procuradora regional da República Michele Rangel Vollsted Bastos e enviado para o Tribunal Regional da 1a. Região, que busca reformar a decisão da 3a. Vara Federal, por entender que mesmo após a deflagração de duas fases da Operação Topique, os crimes persistem de maneira estruturada e contínua.

Fila grande — O MPF também pediu a prisão: do advogado e ex-secretário de Educação Helder Jacobina — que também recebeu cerca de R$ 1 milhão em propina; do tenente-coronel Ronald Moura — coordenador de transporte escolar durante a gestão Rejane Dias; e de Stênio Dias de Negreiros Leite, outro intermediário do esquema.

Em 2018, Pauliana Ribeiro Amorim chegou a ser cogitada para a primeira suplência do senador piauiense Marcelo Castro (MDB), indicada pelo governador Wellington Dias e Rejane Dias, contudo, a vaga ficou com a petista piauiense Rosário Biserra.