Manifestação pela educação com cheiro de maconha, pessoas seminuas e muito Lula livre

Manifestação pela educação com cheiro de maconha, pessoas seminuas e muito Lula livre

O deputado estadual André Fernandes acompanhou a manifestação pela educação na UFC e publicou análise em sua FanPage

 andre"Vim na UFC pra ver de perto a manifestação “pela educação”. Resumindo pra vocês: muito “Lula livre”, muita bebida, homem de vestido, mulher semi nua, muito cheiro de maconha e muita putaria! Triste!"André Fernandes.

Confirra a postagem em https://www.facebook.com/andrefernm/

Em São Paulo

Partidos de esquerda, centrais sindicais e grupo sem-teto dividiram palanques com organizações estudantis; críticos veem risco de 'perda de foco' do movimento.

Enquanto sindicalistas discursavam no maior carro de som durante a manifestação contra o bloqueio de verbas para a educação nesta quinta-feira (30/5), em São Paulo, um grupo de seis estudantes do primeiro ano do ensino médio acompanhava as falas à distância.

Pareciam desconfortáveis com a presença de bandeiras de partidos e a defesa de outras causas por parte dos manifestantes, entre as quais a rejeição à reforma da Previdência e a liberdade para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

"Estou aqui porque critico o Bolsonaro, que faz um governo horrível e tira verba da educação. Mas não sou a favor do PT, que também prejudicou o país, e nem de Lula", disse Eric Freire, de 15 de anos, que participava pela primeira vez de um protesto contra a política educacional do governo.

"Aqui tem muitos sindicatos que, quando convém, apoiam os estudantes, mas que também apoiam políticos envolvidos em corrupção", afirmou a colega Ísis Cavalcante.

Autoridades não estimaram o número de pessoas presentes; para organizadores, foram "mais de 200 mil", muitos dos quais professores e estudantes. As manifestações ocorreram em várias cidades do país e sucederam protestos ocorridos em 15 de maio, confrontados por atos pró-Bolsonaro no último domingo (26).

Para o grupo de seis estudantes entrevistados, a presença de outros movimentos e causas no protesto "é parte da democracia e não deslegitima a manifestação, nem os milhares que não estão carregando bandeiras".

Mas, como aquela turma, muitos manifestantes ouvidos pela BBC News Brasil e que não pertenciam a qualquer grupo organizado se diziam preocupados com a possibilidade de que o movimento perdesse foco e público caso passasse a se confundir com a esquerda tradicional.

Com informações da BBC, Terra e FanPage do deputado estadual pelo Ceará Adré Fernandes