Má gestão em Sobral compromete entrega de aparelhos auditivos

Má gestão em Sobral compromete entrega de aparelhos auditivos

O número de pacientes que aguardam o teste com o Aparelho de Amplificação Sonora Individual (AASI) é de 541 pessoas

Dados da Prefeitura de Sobral indicam que há uma demanda de 541 pacientes aguardando a realização do teste com Aparelho de Amplificação Sonora Individual (AASI), um tipo aparelho auditivo. Há também uma fila de espera de 805 pacientes que aguardam o pedido do mesmo aparelho.

Os pacientes que aguardam pelo teste com o AASI foram atendidos entre os anos de 2018 e 2019. Aqueles que ainda aguardam o pedido do aparelho, datam de 2017 e 2018. O último pedido, realizado no ano de 2018, atendeu pacientes que haviam realizado o teste em 2015.

Embora os aparelhos não tenham sido pedidos, a Prefeitura já tem licitação com previsão de compra dos AASI. A licitação PE184/2018 já foi homologada e tem valor estimado em mais de R$ 6 milhões, o que seria suficiente para adquirir 4.595 aparelhos. Entretanto, o Portal da Transferência indica que não foi feita nenhuma compra com as empresas que ganharam a licitação.

Tempo de espera ultrapassa dois anos

A reportagem entrou em contato com cinco pacientes da lista de espera para o teste com o Aparelho de Amplificação Sonora Individual (AASI). Todos realizaram os testes que comprovaram a necessidade do AASI, mas apenas um deles havia recebido o aparelho.

Francisca Lúcia de Mesquita, está na lista desde novembro de 2018. Segundo a sobrinha dela, Daniela Mota, o tempo de espera tem sido no escuro. Prestes a completar dois anos do teste, a mulher não recebeu nem ao menos uma previsão da chegada do aparelho.

O caso de Francisca é semelhante ao de outra paciente, Maria Caetana do Nascimento, que chegou a usar o aparelho antigo do pai para corrigir o problema enquanto não recebia o prometido AASI. Por não ser o dispositivo adequado, ela não conseguiu se adaptar e segue com a audição comprometida.

"Não tenho a data exata, assim de cabeça, mas já fazem uns dois anos, mesmo", confirmou o marido de Maria Caetana à reportagem.

Dentre os cinco pacientes consultados, o único que tinha recebido o aparelho foi o senhor Gerardo Nunes de Sousa. Segundo ele, a entrega ocorreu há mais de um ano - mas o aparelho auditivo já não funciona mais. "Com essa coisa de coronavírus, acabei nem conseguindo levar para o conserto. Estou sem usar", contou.