Falta de saneamento básico faz casos de arboviroses crescerem 337% no Ceará

Falta de saneamento básico faz casos de arboviroses crescerem 337% no Ceará

Em 2022, o Ceará notificou 96,6 mil casos suspeitos de arboviroses, sendo 53,3 mil registros de dengue, 42,5 mil de chikungunya e mil de zika.

Já o número de confirmações foi de 30,6 mil casos. Desses, foram registrados 12,6 mil por dengue, 17,9 por chikungunya e 12 por zika.

Em relação ao boletim divulgado no mês anterior, houve aumento de 41% nas notificações e de 74% no total de casos confirmados.

Conforme o boletim, em relação aos casos descartados, até o momento, observa-se que o percentual é de 34,8%, sendo 33,7 mil casos descartados, valor próximo ao do percentual de confirmados: 31,6%, que é equivalente a 30,6 mil casos. 

O informativo ainda aponta que número de casos notificados de 2022, comparado ao mesmo período do ano passado, teve um incremento de 337% (22.181). 

Nas duas últimas semanas, o número de mortes por saltou de 11 para 16 entre as semanas epidemiológicas 20 e 23, que correspondem ao intervalo dos dias 21 de maio a 13 de junho. O cenário também representa uma alta de 45% no número de óbitos pela doença no Estado. As idades dos pacientes variaram entre 21 e 93 anos, sendo nove do sexo masculino.

As informações são do último boletim de arboviroses no Ceará, divulgado pela Secretaria da Saúde (Sesa) na última quarta-feira, 15. Ao todo, mortes por chikungunya foram registradas em cinco municípios cearense: Barbalha (5), Juazeiro do Norte (5), Fortaleza (4), Boa Viagem (1) Nova Olinda (1).

Dos 184 municípios cearenses, 132 registraram casos confirmados da doença, sendo que 15 apresentaram incidência alta e 11 muito alta. A maior concentração de incidência muito alta foi nas cidades de Abaiara, Barbalha, Brejo Santo, Farias Brito, Granjeiro, Icapuí, Jati, Pedra Branca, Penaforte, Porteiras e Santana do Acaraú. Além disso, 17 cidades apresentam casos de incidência média e 89 baixa incidência.

Em 2022, o Ceará notificou 96,6 mil casos suspeitos de arboviroses, sendo 53,3 mil registros de dengue, 42,5 mil de chikungunya e mil de zika. Já o número de confirmações foi de 30,6 mil casos. Desses, foram registrados 12,6 mil por dengue, 17,9 por chikungunya e 12 por zika.

Em relação ao boletim divulgado no mês anterior, houve aumento de 41% nas notificações e de 74% no total de casos confirmados.O informativo ainda aponta que número de casos notificados de 2022, comparado ao mesmo período do ano passado, teve um incremento de 337% (22.181).

Image