Em delação, Eike relata propina de R$ 20 mi para Aécio

Em delação, Eike relata propina de R$ 20 mi para Aécio

Um dos anexos que integram o acordo de delação de Eike com a Procuradoria-Geral da República (PGR) detalha o pagamento de R$ 20 milhões de propina a Aécio Neves.

A montante seria, segundo o relato, uma contrapartida pela ajuda de Aécio às empresas do grupo de Eike junto ao poder público, em especial no estado de Minas. Entre os benefícios apontados por Eike está a concessão de licenças ambientais.

O dinheiro, segundo o empresário, foi repassado, na ocasião, a um amigo de Aécio, conforme pedido do próprio tucano. O acordo de Eike com a PGR ainda não está fechado. O executivo chegou a ir a Brasília para mostrar sua “boa vontade” em colaborar.

Procurado pela coluna, Aécio disse, por meio de sua assessoria, que a "acusação é falsa e absurda” e que "jamais intercedeu em favor de qualquer interesse do Sr. Eike Batista”. “É lamentável que acusações levianas, como essa, sejam aceitas por autoridades sem a menor comprovação, exclusivamente para atender interesse de um réu confesso de inúmeros crimes e que, agora, busca obter benefícios através de falsas imputações que jamais serão comprovadas exatamente por serem falsas”, diz a nota. A assessoria afirmou que em 2010 “Aécio Neves não era mais governador de Minas”. Em abril daquele ano, o tucano deixou o governo de Minas para disputar o Senado.