Com salários atrasados, médicos de Juazeiro do Norte decretam greve

Com salários atrasados, médicos de Juazeiro do Norte decretam greve

Após aguardar meses pela regularização dos salários, os médicos da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Juazeiro do Norte decretaram greve, nesta quinta-feira (9). Os profissionais sofrem com o atraso no pagamento, estando sem receber os meses de novembro e dezembro. Apenas pacientes com classificação vermelha e amarela receberão assistência.

Há mais de um ano, sem sucesso, os médicos tentam negociar a normalização dos salários com a Prefeitura de Juazeiro e com o Instituto Médico de Gestão Integrada (IMEGI). Em dezembro último, a cidade enfrentou pedido de demissão em massa realizado pelos médicos por conta do atraso nos pagamentos. O município sofre ainda com o fechamento de 31 postos de saúde e do hospital público, restando apenas a UPA para o atendimento à população que soma cerca de 300 mil habitantes, podendo chegar em época de romaria a mais de 1 milhão pessoas.

“Foram inúmeras tentativas de negociação: reuniões com Prefeitura, com o Imegi e até com o Ministério Público do Estado (MPCE). Mas nada mudou. Os médicos não têm outra alternativa. E infelizmente, a população que precisa de atendimento é a que mais sofre”, destaca Dr. Edmar Fernandes, presidente do Sindicato dos Médicos do Ceará.

Diante de uma situação na qual a maior prejudicada é a sociedade, os médicos seguem sem reajuste salarial há 7 anos e sem contar com estrutura adequada para a prestação de serviços de saúde. Por isso, dentre as reivindicações apresentadas pelos profissionais estão: normalização do pagamento dos salários atrasados; reajuste salarial; e a manutenção de um médico plantonista extra para completar a escala de plantões com ocorrência de superlotação.

O Sindicato dos Médicos reitera o seu compromisso com a defesa da categoria médica e com a busca de uma saúde pública digna para todos.