Bolsonaro defende armar população para não haver golpes de Estado

Na 1ª visita ao Rio Grande do Sul como presidente, Jair Bolsonaro disse, no sábado (15/06), que armaria a população para que golpes de Estado não acontecessem.

 Nossa vida tem valor, mas tem algo com muito mais valoroso do que a nossa vida, que é a nossa liberdade. Além das Forças Armadas, defendo o armamento individual para o nosso povo, para que tentações não passem na cabeça de governantes para assumir o poder de forma absoluta. Temos exemplo na América Latina. Não queremos repeti-los. Confiando no povo, confiando nas Forças Armadas, esse mal cada vez mais se afasta de nós”

Acompanhado do vice-presidente general Hamilton Mourão, Bolsonaro desfilou na pista do Regimento ao lado de militares durante a Festa Nacional da Artilharia, em Santa Maria, no Rio Grande do Sul. Em discurso proferido, elogiou as Forças Armadas.

“Em nenhum momento da sua história se furtou de estar ao lado do seu povo para lutar por democracia e liberdade”, disse.

BRASIL COMO EXTRA-OTAN

Bolsonaro disse que os Estados Unidos aceitaram o país sul-americano como aliado extra-Otan.

“Com muito orgulho, anuncio que há pouco colhemos 1 dos frutos da nossa viagem aos Estados Unidos. A possibilidade que permite interagirmos mais com o mercado de defesa”, disse.

O presidente norte-americano, Donald Trump, confirmou em 8 de maio que aceitou o Brasil como parte da organização. Tornando-se 1 aliado extra-Otan, o Brasil terá tratamento prioritário na relação com os Estados Unidos.

Irá ser, entre outros países, tratado como nação preferencial ao comprar equipamentos militares norte-americanos. Além disso, poderá participar de leilões de produtos militares organizados pelo país de Trump e também poderá organizar treinamentos militares em parceria com as Forças Armadas dos EUA.

O governo norte-americano designou, até o momento, 17 países como aliados extra-Otan. Entre eles, a Argentina. O Brasil seria o 2º país sul-americano a integrar a lista.