DESGOVERNO DO ESTADO - Enquanto o Brasil gerou, o Ceará perdeu, empregos de carteira assinada

DESGOVERNO DO ESTADO - Enquanto o Brasil gerou, o Ceará perdeu, empregos de carteira assinada

O mercado de trabalho brasileiro criou 32.140 empregos com carteira assinada em maio e o Ceará amargou a perca de 6 mil postos de trabalho, de acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados nesta quinta-feira, 27, pelo Ministério da Economia.

Em maio, no mês do trabalhador, o Estado amargou perda de 1.377 postos com carteira assinada. No mês passado, foram 29.138 admissões e 30.515 desligamentos. No Brasil, o saldo foi positivo em maio, de 32,1 mil vagas, sendo 1.347.304 contratações e 1.315.164 demissões.  

No ano, foram criados 351.063 novos empregos (+0,91%) no País, elevando para 38,761 milhões o estoque de empregos formais. É o maior estoque desde maio de 2016, quando o Caged registrou 38,783 milhões de empregados com carteira assinada.

Confira a lista dos municípios que mais geraram empregos no Ceará no acumulado do ano

1º Caucaia (871)

2º Canindé (622)

3º Barbalha (348)

4º Morada Nova (321)

5º Eusébio (214)

6º Pacatuba (145)

7º Várzea Alegre (135)

8º Tauá (127)

9º Tianguá (104)

10º Amontada (101)

Confira a lista dos municípios que mais perderam empregos no Ceará no acumulado do ano

1º Fortaleza (-4.550)

2º Sobral (-1.822)

3º Quixeramobim (-464)

4º Maracanaú (-384)

5º Aquiraz (-361)

6º Maranguape (-190)

7º Cascavel (-188)

8º Aracati (-177)

9º Russas (-157)

10º Mombaça (-155)

Com informações de O Povo e Terra