Tudo bem no Natal que vem, uma surpresa em vários níveis

Tudo bem no Natal que vem, uma surpresa em vários níveis

Ainda há um profundo preconceito com produções nacionais, mas mesmo assim continuam saindo filmes corajosos como este.

Você já deve ter ouvido, ou mesmo dito "ah, emagreceu, perdeu a graça" sobre humoristas que perderam peso, principalmente após a famigerada operação bariátrica. Por mais errada que seja esta percepção, é assim que me sinto sobre Leandro Hassum, que por um bom tempo foi parceiro de Marcius Melhem, hoje enterrado em polêmicas de assédio. As suas obras anteriores à operação arrancavam mais risadas da minha parte.

Foi com certo preconceito que cheguei a Tudo bem no Natal que vem, filme natalino original da Netflix, mas qual não foi minha surpresa.

O QUE TEM DEMAIS?
Para começar o filme trata de uma premissa já muito batida e bastante desgastada pelo cinema e pela literatura, um fenômeno que ouso chamar de "dia da marmota". Trata-se de uma premissa em que o ou os protagonistas ficam presos revivendo o mesmo dia de novo e de novo até que seja capaz de escapar. Isto é visto no clássico Feitiço do Tempo de 93 com Bill Murray, no filme Meia Noite e Um também de 93, já foi tema de um episódio de Supernatural e em incontáveis outras obras.

O que Tudo bem no Natal que vem trás é uma nova abordagem desta estrutura e olha, dou os parabéns a quem teve a ideia. No fim temos um filme divertido, uma premissa ajustada de maneira não apenas a fugir do que já foi feito, com um conteúdo e uma mensagem honesta, mas que se encaixa de maneira magistral no que o roteiro se propõe e até mesmo alguns momentos bastante dramáticos que devem arrancar suor dos olhos de uns e outros, valendo o aviso às pessoas mais sensíveis.

 

Screenshot_2021-01-05 tudo bem no natal que vem – Pesquisa Google12.jpg

O filme conta com um elenco competente tendo Leandro como Jorge, o pai de família absolutamente comum, mas que vai encarar uma barra aos moldes dOs Fantasmas dos Natais Passados repaginado, Elisa Pinheiro como Laura, a esposa que por vários momentos você pensa "esta mulher é uma santa!", além de Danielle Winits, Daniel Filho, José Rubens Chachá e Rodrigo Fagundes (quando você o achar familiar, mas não lembrar de onde, imagine-o dizendo "olha a faca!") nas palavras dos trailers nacionais, e grande elenco.

Ainda que passada a data, é um filme que vale a pena ser conferido.