Cidade dos Mortos: a série de zumbis, sem zumbis

Cidade dos Mortos: a série de zumbis, sem zumbis

Mais uma boa obra fora do circuito norte americano aparecendo por aqui.

Filmes, séries e jogos de zumbis são divertidos, mas nos últimos anos temos que concordar que foi um pouco demais. Um dos (ainda que não apenas) motivos da queda vertiginosa da popularidade de The Walking Dead da AMC foi justamente a saturação.

Em a Cidade dos Mortos, vendido erroneamente como uma série de mortos-vivos, uma doença fatal se espalha por todo o mundo e pequenos grupos de pessoas que não se conhecem vão se juntando para sobreviver. Deixando claro, esqueça os zumbis, esta é uma série de catástrofe, é sobre pessoas sobrevivendo em situações insanas e sobre a fragilidade da sociedade e da nossa civilidade.

cidade1.jpg

 

Toda a produção é bem decente, direção, atuações, fotografia. Não sei se por se tratar de uma produção russa, meu filtro se torna mais tolerante, assim como costuma ocorrer com obras nacionais. Afinal de contas, um caminhão de produções sai dos Estados Unidos a cada segundo, enquanto outros países ainda vivem sua época de descoberta e de abertura, de levar suas produções para o mundo. É um tanto injusto avaliar com os mesmos parâmetros.

A questão é que a série, ainda que haja algumas barrigas e momento maçantes, a obra em si entrega o que se propõe. Uma meia dúzia de surpresas mais para o final, um bom tratamento na funcionalidade daquele mundo, sem nada muito escabroso. Personagens gostáveis, outros odiáveis, a nova velha ideia de "não há vilões, apenas pessoas tentando sobreviver", e uma boa pá cheia de clichês, mas a maioria bem usada.

Não posso dizer que acompanho as produções russas, me preparando para escrever este artigo soube de duas produções anteriores que foram cobertas de críticas negativas, mas neste caso eles conseguiram se sair bem. O máximo que havia visto antes foi Os Guardiões, ou Zaschitniki, que na verdade seria mais para Defensores, filme russo de super heróis lançado em 2017. Sim, nem vale a comparação com os filmes e séries atuais, mais quantos Quartetos Fantásticos os Estados Unidos tiveram de fazer antes do primeiro Homem de Ferro? Admito meu guilty pleasure, eu me divirto com Zaschitniki.