Animes: nem só de Dragon Ball vive o Japão

Animes: nem só de Dragon Ball vive o Japão

A ideia de que animes e mangás são apenas para crianças é tão errada quanto grande é a variedade de temas que eles tratam.

Os mangás (revistas em quadrinhos japonesas) e os animes (animações) são duas das mais fortes expressões culturais do Japão.

animes 90.png

Nos anos 80s começamos a receber as primeiras invasões de animes na forma de Robotech (ou Macross), Pirata do Espaço, Speed Racer, Space Battleship Yamato e outros ainda mais obscuros do grande público.
Mas foi nos anos 90s que o Brasil foi tomado de assalto por estes desenhos estranhos e que traziam explicito algo que era velado nos desenhos que estávamos acostumados a ver: violência.

Vimos tiros sendo trocados nos desenhos do Pernalonga, ou o Jerry bater com um martelo no Tom e vice versa. Mas a primeira vez que vimos aquela quantidade inumana de sangue jorrando após um golpe em Cavaleiros do Zodíaco ou até mesmo órgãos expostos em Akira foi um baque sem precedentes.

Em Pirata do Espaço, ou Robotech havia combates, lasers voavam para cá e para lá, quando atingiam pareciam mais balas de borracha que feixes capazes de vaporizar carne. Ver estes nossos "desenhos japoneses" carregados de violência foi a entrada para um mundo totalmente novo.

Mais tarde nos anos 90s começaram os contrabandos de fitas com episódios de vários títulos de animes legendados por fãs e começaram também a surgir os embriões das convenções de animes que temos hoje como o SANA e o ANIME FRIENDS.

Mesmo passados vinte anos desta invasão, ainda há pessoas que simplesmente não entendem (ou não querem entender) que há animes com conteúdo e criados para adultos. Sim, há animes de sacanagem mais e menos explícita, mas não é a isso que me refiro, mas a temas mais pesados.

Um bom exemplo de como vários animes trabalham assuntos pesados é Full Metal Alchemist, que conta a história de dois irmãos, Edward e Alphonse Elric. Em seu mundo, há vários estudiosos e usuários de "magia", conhecida no anime como "alquimia", com suas regras e limitações. Após ficarem órfãos, as crianças que eram filhos de um alquimista e prodígios no assunto decidem fazer algo que era proibido até para os maiores mestres da arte: a chamada transmutação humana para trazer a mãe de volta dos mortos. O processo dá muito errado consumindo a perna esquerda de Edward e o corpo de Alphonse. Em um esforço desesperado de salvar o irmão, Edward sacrifica seu braço direito para selar a alma do irmão em uma armadura. Para aqueles que conhecem este anime que estiverem lendo isto, já sabem por que eu o estou citando como exemplo de temas adultos (ainda que ele seja carregado de piadas e animações alopradas). Não estragarei a surpresa (nem o trauma), mas nos primeiros episódios ocorrem fatos bastantes pesados. Vou apenas dizer a palavra "quimera". Quando chegar nesta parte, saberão que era dela que eu estava falando. Full Metal Alchemist Brotherhood está disponível na Netflix.

Ainda que Full Metal possa não ser tão conhecido quanto Cavaleiros, já que este passou por tanto tempo na TV aberta e muita gente que acompanhava naquela época, perdeu o interesse em animes, as histórias dos irmãos Elric é muito popular.

Vou puxar agora para outro extremo, um anime bem pouco conhecido e com uma proposta diferente. Em Cavaleiros, os guerreiros possuíam poderes que eram alimentados por seus cosmos, em Full Metal os alquimistas são capazes de moldar a realidade quase ao seu bel prazer. Há outros animes muito populares onde a ação é o foco como Dragon Ball, com seres de outros planetas ultra poderosos, vermes desprezíveis e desgraçados geniais e poderes maiores que 9000, em Bleach vivos, mortos e nem-tão-vivos-nem-tão-mortos lutam e escalam seus poderes de zampakutos, bankais e máscaras. Até mesmo Naruto, que começa em sua vilinha ninja com seu jeito ninja de ser e acaba em uma guerra mundial. Inclusive se você pesquisar vai encontrar uma quantidade gigantesca de animes de sucesso que, de algum modo, falam do apocalipse, seja por ele já ter acontecido e a sociedade vive em um mundo devastado, ou ele é parte do desejo do vilão. Isso se dá pelo fato deles terem, basicamente, vivido este apocalipse. Depois dos eventos ocorridos em Hiroshima e Nagasaki em 1945, uma profunda sensação de desolação, medo e desespero, deixaram marcas profundas no imaginário japonês, mesmo de quem estava a vários quilômetros de distância.

Mas animes não se resumem a poderes. Para dar exemplo de ótimas obras escolhi Black Lagoon (também disponível na Netflix). Aqui não ninguém vai ficar loiro e brilhando, nem destruir monstros com apenas um soco. Inclusive, o grande atrativo deste anime é justamente que os monstro aqui são bem mais reais. A história tem como centro a cidade fictícia de Roanapur, na Tailândia e segue a Companhia Lagoon, um grupo mercenário que contrabandeia cargas pelo Sudeste da Ásia. Roanapur, ainda que seja uma cidade miserável, cheia de becos sujos e esquecida por deus, é um ponto valiosíssimo de tráfico e contrabando, tendo um frágil equilíbrio entre as máfias. Praticamente todas as máfias clássicas que você imaginar, tem seu representante aqui, a italiana, a tríade chinesa e todas essas que estamos acostumados a ver nos filmes, em especial a máfia russa, conhecida aqui com Hotel Moscou, liderada por Sofyia Pavlovena, capitã do exército soviético na guerra do Afeganistão, agora conhecida e tratada apenas como Balalaika.

Claro, é um anime, então haverá absurdos. Mas nada que você não tenha visto em Triplo X, Duro de Matar 3, 4, 5... Os Mercenários, mas sua pegada segue mais na direção de John Wick. Entre tiroteios e explosões, temas como a própria violência, tráfico de pessoas, alcoolismo. Eles cavam desde traumas de infância que já vimos em outros personagens de outras obras, mostrando os resultados desses traumas, mas também a problemas psicológicos e sociais mais do dia a dia, como do "Rock". Rokuro Okajima era um homem de negócios que representava uma grande empresa, mesmo em assuntos escusos. Em outras palavras, um pau mandado sem valor e completamente descartável. Em dado momento Rock faz uma análise da própria vida e percebe quão miserável ela é e quão sem valor. Os episódios que abrem a segunda temporada do anime, conhecida como Second Barrage trazem um tema muito pesado, ainda que permeado de ação.

Em resumo, temos animes para, literalmente, todos os gostos. Animes de ação e pancadaria, animes fofinhos, animes de relacionamento, animes sobre bombeiros, padeiros, game designers, ninjas cibernéticos, super cozinheiros, motoristas de ônibus, gatinhas antropomórficas psicopatas. Temas e assunto não faltam.

Não posso terminar este artigo sem citar obras maravilhosas como Princesa Mononoke, Castelo Encantado e o supra sumo da tristeza O Túmulo dos Vagalumes que faz até o Chuck Noris chorar. Se você conseguir assistir o Túmulo dos Vagalumes e não se emocionar, trate-se porque você é um psicopata e está morto por dentro.

Image