Política

Javier Milei, conhecido como "Bolsonaro Argentino," lidera nas primárias eleitorais da Argentina

Javier Milei, conhecido como "Bolsonaro Argentino," lidera nas primárias eleitorais da Argentina

As eleições primárias abertas, simultâneas e obrigatórias (Paso) na Argentina deram início a um cenário político repleto de reviravoltas e surpresas, tendo como protagonista Javier Milei, o pré-candidato mais votado do país e líder do partido político La Libertad Avanza. Com o resultado, o chamado "Bolsonaro argentino" conquista uma vitória expressiva, lançando novas perspectivas para o ano eleitoral que se desenha.

Os apresentadores da CNN Español, Andrés Oppenheimer e María O’Donnell, analisaram com entusiasmo os desdobramentos desse pleito. Javier Milei, que superou todas as expectativas, lidera agora o cenário político nacional com sua abordagem antissistêmica e posturas que lembram o ex-presidente brasileiro Jair Bolsonaro.

Em uma virada notável, Patricia Bullrich do Juntos por El Cambio, a segunda coalizão com mais votos, derrotou Horacio Rodríguez Larreta, prefeito de Buenos Aires, na escolha interna da coalizão. Essa mudança ressalta a volatilidade e a diversidade de opções que os eleitores argentinos estão considerando.

Enquanto isso, Sergio Massa garantiu a liderança do Unión por la Patria, mas os partidos alinhados com o kirchnerismo não conseguiram se posicionar entre os mais votados. Analistas políticos estão interpretando as Paso como uma espécie de pesquisa prévia das eleições gerais em outubro, fornecendo insights cruciais sobre as tendências eleitorais e o clima político do país.

Andrés Oppenheimer refletiu sobre a relevância deste momento: “É uma surra colossal do governo Kirchner ao ter um candidato de fora, quase antissistêmico”. Isso sinaliza uma potencial transformação na dinâmica política da Argentina e desafia a chamada "maré rosa" de governos de esquerda na América Latina.

María O’Donnell observou que a tendência atual aponta para um movimento em direção à direita no cenário político argentino. A vitória de Patricia Bullrich e a ascensão de Javier Milei sugerem a emergência de uma direita e uma extrema-direita com crescente potencial eleitoral, apontando para uma mudança significativa na paisagem política.

Quanto ao kirchnerismo, os analistas levantam questionamentos sobre seu futuro após as Paso. Oppenheimer sugeriu: “Se não houver um milagre, este governo vai sair totalmente derrotado e desacreditado”. Esses resultados podem ter implicações profundas na economia argentina e na condução do governo.

À medida que o cenário pós-Paso se desenha, fica claro que a vitória de Javier Milei pode ter um impacto duradouro. O' Donnell prevê que ele continuará a atrair apoio significativo para as eleições de outubro. Oppenheimer, por sua vez, especulou sobre uma possível mudança na imagem pública de Milei: “Não me surpreenderia se nos próximos meses, semanas, até amanhã, vermos Milei com o cabelo um pouco mais curto, com a gravata um pouco mais arrumada e mostrando uma face menos incendiária”.