Notícias

Camilo Santana é recebido em conferência com gritos de ‘Fora Lemann’

Camilo Santana é recebido em conferência com gritos de ‘Fora Lemann’

Na última terça-feira, durante a Conferência Nacional de Educação (Conae), o ministro da Educação, Camilo Santana (PT), foi recebido com uma onda de manifestações críticas direcionadas ao empresário brasileiro Jorge Paulo Lemann. Enquanto Santana subia ao palanque do evento, dezenas de participantes erguiam os braços e entoavam em uníssono: “Fora Lemann”, em uma clara demonstração de descontentamento.

As cenas, transmitidas nos canais institucionais do presidente Lula (PT), revelam a intensidade do protesto que ecoou por pelo menos dez vezes, interrompendo momentaneamente o fluxo do evento. Diante da contundência das manifestações, Santana optou por fazer uma pausa e endereçou palavras em defesa da democracia.

“Minha palavra aqui será rápida, pois na abertura já me estendi bastante. Mas é importante ressaltar que estamos aqui, após seis anos, resgatando algo que é muito caro para todos nós: a democracia. É o direito das pessoas se expressarem”, afirmou o ministro.

Santana, nascido em uma época marcada pela ditadura, fez questão de ressaltar suas origens e o legado de luta pela liberdade. Em um emocionado discurso, reforçou o papel crucial do respeito às diferenças no cenário democrático.

Os questionamentos sobre a influência de setores empresariais e institutos privados na formulação das políticas educacionais ganharam destaque nos debates da Conae. A elaboração do Plano Nacional de Educação (PNE) 2024-2034, principal pauta do evento, revelou divergências profundas sobre o papel dessas entidades no cenário educacional brasileiro.

Com votações realizadas em diferentes eixos, a conferência evidenciou a preocupação com a influência de fundações empresariais nas políticas educacionais. Os participantes, em diversas instâncias, clamaram por revisões nas diretrizes vigentes, apontando para uma possível interferência ideológica e financeira desses setores.

A Conae, além de ser um espaço de debate e deliberação sobre os rumos da educação no país, evidenciou as tensões entre diferentes atores sociais e políticos. As próximas etapas, sobretudo no âmbito legislativo, prometem ser palcos de intensos embates em torno do futuro da educação brasileira.

Com informações de: Carta Capital