Notícias

Camilo recebe "puxão de orelha" de Lula

Camilo recebe "puxão de orelha" de Lula

O ministro da Educação, Camilo Santana, recebeu uma chamada inesperada enquanto participava do 7º Congresso Internacional de Jornalismo de Educação, organizado pela Jeduca (Associação de Jornalistas de Educação). A ligação veio diretamente do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que se encontrava em Nova York para a Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU). O motivo do telefonema surpreendeu a todos: os chocantes atos de obscenidade cometidos por um grupo de universitários durante um jogo de vôlei feminino.

A denúncia sobre o incidente, que ocorreu na Universidade de Santo Amaro (Unisa), em São Paulo, veio à tona após imagens dos atos obscenos circularem na mídia no último fim de semana. Os eventos em questão, ocorridos em abril deste ano, foram um ato vergonhoso que gerou indignação em todo o país.

Camilo Santana, visivelmente abalado durante seu discurso no evento da Jeduca, descreveu a chamada surpresa do presidente. "O presidente Lula ligou para mim diretamente de Nova York, onde ele está participando da Assembleia Geral da ONU. Ele expressou sua profunda preocupação com os acontecimentos na Unisa e queria saber que medidas seriam tomadas em relação a esses alunos", revelou o ministro da Educação.

Lula, que tem um histórico de forte defesa da educação e da igualdade de gênero, não escondeu sua consternação ao tomar conhecimento dos atos obscenos dos universitários. Ele insistiu que não bastava apenas expulsar os alunos envolvidos, mas também garantir que eles respondessem legalmente pelos seus atos. "É importante não só a expulsão dos alunos, mas que eles possam responder pelos atos. É difícil entender como isso demorou tanto tempo para aparecer, mas é inadmissível que aconteça", comentou o presidente durante sua conversa com Camilo Santana.

A Universidade de Santo Amaro, em São Paulo, agora enfrenta a tarefa de lidar com o escândalo e garantir que medidas apropriadas sejam tomadas. A instituição já estava sob escrutínio público devido ao comportamento vergonhoso dos alunos, e a pressão só aumentou após o telefonema de Lula.