Notícias

Barroso Nega Pedido da PF para Busca no Endereço do Ministro de Lula em Operação que Investiga Desvio de Emendas Parlamentares

Barroso Nega Pedido da PF para Busca no Endereço do Ministro de Lula em Operação que Investiga Desvio de Emendas Parlamentares

A Polícia Federal deflagrou uma operação na manhã desta sexta-feira, cumprindo 12 mandados de busca e apreensão. O alvo da investigação é o "núcleo público de uma organização criminosa" envolvendo desvio de emendas parlamentares destinadas à pavimentação asfáltica em um município do Maranhão. Surpreendentemente, o Ministro Juscelino Filho, ligado ao ex-presidente Lula, teve seu pedido de busca em seus endereços negado pelo ministro Barroso.

A Operação Benesse, nomeada devido às suspeitas de que líderes da organização criminosa utilizaram emendas parlamentares para benefício próprio, representa um novo desdobramento da investigação conhecida como Operação Odoacro, que já teve duas fases anteriores em julho e outubro do ano passado. Os crimes sob investigação abrangem fraude em licitações, lavagem de dinheiro, organização criminosa, peculato, corrupção ativa e corrupção passiva.

Em janeiro, o jornal Estadão revelou que Juscelino Filho teria direcionado R$ 5 milhões do orçamento secreto para a prefeitura de Vitorino Freire com o objetivo de asfaltar uma estrada de terra que passa em frente à sua fazenda no município maranhense. Essa ação, a pedido do próprio Juscelino durante seu mandato como deputado federal pelo União Brasil, resultou no repasse dos recursos para a prefeitura administrada por sua irmã.

A justificativa para o nome "Benesse" da operação está relacionada ao uso de emendas parlamentares para o enriquecimento pessoal, sem esforço ou trabalho direto por parte dos envolvidos.

O Ministro Juscelino Filho, nomeado por Luiz Inácio Lula da Silva, tem sido objeto de diversas acusações envolvendo uso inadequado de recursos públicos. Além do desvio de emendas parlamentares, ele também enfrenta acusações de enviar informações falsas à Justiça Eleitoral para comprovar voos não realizados durante a campanha eleitoral e de utilizar um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) e diárias para participar de leilões de cavalos de raça em São Paulo. Outra polêmica envolvendo o Ministro foi a abertura de seu gabinete no Ministério das Comunicações para que seu sogro empresário despachasse como se tivesse um cargo público.

A Operação Benesse continua em andamento, buscando esclarecer todas as circunstâncias envolvidas nas acusações de desvio de recursos públicos e outros possíveis ilícitos relacionados ao Ministro Juscelino Filho e sua rede de contatos.