Economia

Baião de Dois poderá pesar ainda mais no bolso do Brasileiro em 2024

Baião de Dois poderá pesar ainda mais no bolso do Brasileiro em 2024

A tradicional combinação de arroz com feijão, querida pelos brasileiros de todas as regiões, vai pesar no orçamento em 2024, conforme indicam os números revelados pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). O arroz registrou alta de 24,54%, enquanto o feijão acompanhou com um aumento de 13,2% ao longo de 2023, contribuindo para o acréscimo de 1,03% nos preços de alimentos e bebidas.

No final de 2023, as tempestades no Sul e as secas no Centro-Oeste e Norte afetaram a produção de alimentos, e os eventos climáticos continuam a ser uma preocupação em 2024. O professor Ahmed Sameer El Khatib, do Instituto de Finanças da Fecap, alerta que, embora a inflação do Brasil possa permanecer dentro da meta de 3% estabelecida para o ano, os alimentos devem impactar especialmente o orçamento da população de baixa renda.

A produção de alimentos enfrenta desafios com as frequentes chuvas e secas, levando à dificuldade na colheita. Apesar de não haver risco iminente de desabastecimento, há alertas para a possibilidade de quebra de safra. O IBGE prevê uma redução de 2,8% na safra agrícola de 2024 em comparação com o ano anterior, atribuindo a expectativa de queda a eventos climáticos, o que pode impactar os preços dos alimentos básicos.

Analistas preveem que o prato do brasileiro ficará mais caro em 2024, destacando que o arroz subiu 5,81% e o feijão carioca aumentou 13,79% em dezembro devido aos eventos climáticos recentes. José Carlos Hausknecht, sócio-diretor da consultoria MB Agro, ressalta a incerteza sobre a produção, indicando que os preços podem não atingir os níveis dos anos de 2020 a 2022, mas uma possível quebra de safra pode impactar os valores, trazendo desafios para o orçamento dos consumidores.